Aprenda aqui e ganhe frete grátis

Atualizado em 14/10/2022

Alergia ao suor: Entenda melhor sobre e previna-se

Apesar de ser um processo natural e extremamente necessário para o nosso corpo funcionar bem, algumas pessoas podem desenvolver urticária colinérgica, ou popularmente conhecida como alergia ao suor . A alergia ao suor surge ao ter elevação da temperatura corporal e a resposta para produção de suor pelas glândulas sudoríparas. Pode surgir da prática de exercícios, por questões emocionais, banhos mais quentes e por febre. Aqui nessa publicação você vai entender melhor sobre a alergia a suor o que é, quais são os sintomas, causas, diferentes regiões do corpo e tratamento. Alergia a suor o que é? Ao fazermos exercícios é produzido energia, essa energia aquece nosso corpo e para que ele não entre em colapso pela temperatura elevada, nosso corpo possui mecanismo de resfriamento, que seria a liberação de suor pelas nossas glândulas sudoríparas que desempenham muito bem o papel de fazer a nossa termorregulação. Já a alergia é um processo que ocorre quando nosso sistema imunológico confunde uma substância normal, como é o caso do suor, como uma substância perigosa, e ao ser exposto ao alérgeno, o organismo tem uma resposta e com isso surgem os sintomas de alergia. Por tanto, a alergia ao suor, é uma má interpretação do sistema imunológico ao suor, gerando uma resposta imunológica desnecessária a um agente inofensivo. É mais frequente em pessoas mais jovens, mas não é regra. Com o passar dos anos, os sintomas são amenizados ou somem. Alergia a suor sintomas Os sintomas podem surgir em qualquer local do corpo, exceto na planta dos pés e na palma das mãos. Começam principalmente na região próxima ao pescoço. Os sintomas são de bolinhas pequenas (pápulas) com um pequeno halo vermelho ao redor e que coçam muito. Eventualmente podem evoluir e causar angioedema (inchaço nas camadas mais profundas da pele) e reação anafilática. Outros sintomas não tão frequentes são: dor de barriga, diarréia, dor de cabeça e, em casos mais graves, queda da pressão. O que causa alergia a suor A alergia ao suor (urticária colinérgica) é causada inicialmente pelo aumento de temperatura que promove uma reação das fibras nervosas periféricas, induzindo a liberação da acetilcolina e que por sua vez, estimula a liberação de mediadores mastocitários, sendo a histamina um deles. São essas substâncias que causam alergia ao suor. Alergia ao suor em partes específicas do corpo Essa alergia normalmente acomete a região do pescoço, rosto e tronco, mas pode aparecer em outras regiões como axila, entre coxas e nos braços, se permanecer o estímulo por mais tempo. Já na palma das mãos e sola dos pés esses sintomas não aparecem. Pescoço O pescoço é uma das primeiras regiões a aparecer os sintomas (pápula, vermelhidão e coceira), com a permanência com estímulo (atividade física, calor, temperatura do corpo elevada e/ou questões emocionais) os sintomas se propagam para o resto do corpo. Nessa região é importante ter um cuidado maior com a utilização de perfumes, já que em muitos apresentam vários componentes que podem causar alergia, como álcool, que pode contribuir com o ressecamento da pele que já está sensibilizada. O ideal é utilizar perfumes hipoalergênicos e não aspergir diretamente sob a pele, mas colocar na roupa e lavar bem as mãos. Em caso de alergia a fragrância, utilizar perfumes sem fragrâncias, feitos com óleos essenciais naturais. Virilha A virilha por ser naturalmente uma região de contato de pele com pele, mais escondida e que permanece mais abafada pela utilização de roupas, torna-se um ambiente propício para o desenvolvimento de alergias como urticária colinérgica. Naturalmente a virilha já possui várias glândulas sudoríparas, por isso é um local propenso a ter um suor intenso, o que é um agravante para pessoas com alergia ao suor. Para prevenir ou amenizar a alergia na virilha, é importante não usar calças muito apertadas ou de materiais sintéticos, usar lenços umedecidos para bebês (eles normalmente não possuem álcool em sua composição) refresca a região e limpa o suor, tomar banhos com água mais fria, e tentar manter sempre a região mais seca. No rosto Os sintomas da alergia que passam a surgir no pescoço muitas vezes vão em direção ao rosto. Também suamos nesta região, por isso é indispensável lavar o rosto com água fria, ter mais cuidados com os cosméticos que passamos, pois é importante que não atrapalhe na transpiração. No couro cabeludo A alergia ao suor normalmente afeta a região do pescoço, tronco e áreas onde há contato de pele com pele como axilas, parte de trás dos joelhos e virilha. Porém é possível apresentar sintomas em outras partes do corpo como no couro cabeludo. Por ser uma região onde pode haver uma hiperidrose e permanecer úmida por muito tempo, tanto pelo suor quanto por simplesmente lavar os cabelos, contribui para surgir os sintomas. Outros fatores podem contribuir como estresse e cosméticos podem causar alergias também. Na axila Existem algumas alergias que podem acometer as axilas e os motivos são os mais diversos, um deles é o suor. Ao praticar atividade física ou tomar um banho mais quente, aumentamos nossa temperatura corporal, o que pode causar nessa região, uma hiperidrose. Com o suor mais intenso nessa região podem surgir pápulas, coceira intensa e vermelhidão. Por isso, uma das maneiras para prevenir é tomar banhos mais frios, utilizar desodorantes antitranspirantes, roupas mais soltas e de tecidos naturais e aplicar compressas frias na região pode aliviar a alergia rapidamente. Alergia ao suor em bebê O bebê por ter uma pele mais sensível, pode desenvolver diversas alergias, algumas delas estão relacionadas ao suor. O suor por si só já é um agente facilitador para várias delas por facilitar o desenvolvimento de microorganismo e no caso dos bebês a quantidade de dobras na pele também é um agravante. A alergia ao suor em bebês pode se apresentar de algumas formas como: dermatite atópica, urticária e disidrose. As principais formas de prevenir o desenvolvimento de alergias ao suor em bebês consiste em deixar a pele do bebê seca, limpa e hidratada, não agasalhe demais a criança, principalmente com roupas de material sintético. Mas isso não é brotoeja? Sim, existe a brotoeja (miliária) mas também existe a alergia ao suor (urticária colinérgica) e as duas apesar de terem sintomas parecidos são diferentes. A brotoeja causa bolinhas mais delicadas, já a alergia ao suor apresenta mais vermelhidão, coceira, inflamação e inchaço. Outro ponto importante nessa diferença é que a miliária acomete principalmente bebês já que a alergia ao suor é mais comum em jovens e adultos. Alergia ao suor tratamento e prevenção Para o diagnóstico é necessário o acompanhamento com médico, já que o diagnóstico é feito principalmente de forma clínica. O tratamento é feito com antialérgicos, porém em alguns casos é necessário ação conjunta de outros medicamentos. Para prevenir, é importante usar roupas leves que permitam uma transpiração melhor, com tecidos de algodão, tomar banhos mais frios em dias quentes e manter a pele hidratada. Um aliado a para ajudar a diminuir a transpiração e acabar com o mau cheiro o visto.bio pode te ajudar! Com o programa Adeus Desodorantes transpirar é uma questão de tempo para que o seu sistema linfático entre em ordem e distribua todo o líquido pelo corpo. Conheça em detalhes o funcionamento desse programa que vai mudar sua relação com o suor Programa Adeus Desodorantes.

Veja mais!

Upsell Kit Antiodor Completo (1˚ e 2˚ etapa) Visto.bio Adeus Suor® e Mau Cheiro® | (240ml)
Kit Antiodor Completo (1˚ e 2˚ etapa) Visto.bio Adeus Suor® e Mau Cheiro®
R$ 577,99
R$ 346,79
SAIBA MAIS